Quinta-feira, 10 de Maio de 2007

a escondida de calixto

 

 

 

 

 

Calixto esgueirou-se para fora do bar, renunciando ao charro que lhe era oferecido por um puto imberbe e olhar matreiro.

- Fuma, Velho! – disse-lhe o puto. – Vais ver que depois te sentes outro.

Numa outra altura, Calixto aceitaria o charro escurecido pelo óleo do haxixe sem hesitar. O peso das memórias que teimavam em não desaparecer e lhe obscureciam o sonho metamorfoseando-o em pesadelos disformes, esvanecia-se como que por encanto à primeira inalação do fumo azul. Mas não agora.

 

 

Calixto arrepiou caminho naquele seu andar desengonçado e curvo, em direcção à praia da sua juventude. Sem hesitar, entrou pelo paul adentro, enterrando os pés no lodo e sentindo nos tornozelos nus o roçar dos caranguejos que o habitavam. Atravessado o brejo, Calixto olhou a enorme duna à sua frente, o derradeiro obstáculo ao seu anseio. Sentia-se fraco e interrogou-se quantas vezes mais conseguiria transpor aquela onda gigantesca de areia. Encolheu os ombros e, em posição simiesca, iniciou a subida. O rosto avermelhado de Calixto era uma máscara de esforço que contrastava com o branco dos olhos, os lábios secos na boca entreaberta, os cantos cobertos de escuma. Um pé, outro pé, empurrando o esquelético corpo. Uma mão, outra mão, içando-o, numa escalada inabalável até ao cume.

 

 

Atingido o topo, Calixto, empapado de suor, de joelhos, abre os braços num grito mudo e desfalece, rolando pelo declive da onda até ao sopé onde fica imóvel. Calixto ergue a cabeça areada, de onde sobressaem um par de olhos luminosos e febris, em direcção à estrada intermitente de tijolos amarela que corta o oceano e arrasta o corpo até lá, deixando que as ondas descontínuas o lavem e refresquem. Por fim, senta-se. “O Lápis”, pensa. Com o indicador enterrado na areia molhada, Calixto escreve:

 

 

 

eis-me,

uma vez mais,

perdido

nos anais

desta praia

escondida.

longe

dos olhares

perturbantes,

das palavras

insinuantes,

do dedo

acusador.

enfim,

do estupor…

 

e, por fim,

longe

da mentira.

 

 

 

Calixto recosta-se na duna, olhos semicerrados num rosto sereno. A estrada de tijolos amarelos não existe mais. Agora é a flamejante Durindana que se estende na sua direcção, deitada sobre o mar, a sua ponta atravessando o peito magro e nu de Calixto. Mas não o mata! Apenas transmite brandura, a secreta paz de espírito que lhe possibilitará viver por mais um dia, uma noite que seja.

 

 

 

De um buraco ali perto, uma cobra de pele luzidia desliza suavemente até Calixto elevando-se a seu lado num “s” perfeito, em harmonia com o efémero torpor do fim do dia. O vaivém das ondas leva consigo as palavras escritas na areia fina, agasalhando-as e alojando-as no âmago do seu ser…

 

 

 

tags: ,

publicado por siX às 01:07
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De seforis a 10 de Maio de 2007 às 07:28
Como se lhe quisessem dizer que a mentira também se encontrava ali...


Comentar post

    O meu ip
    Web Hosting Directory by Blog Flux
    BloGalaxia
       

os latagões

  • s¿X
  • berlim
  • reporter xis
  • passado

    adjectivos

    vileiros

    net.vil@condense

    outras.vil@s

    vizinhos

    ambiente

    mixórdias

    Setembro 2009

    Maio 2009

    Fevereiro 2009

    Janeiro 2009

    Dezembro 2008

    Dezembro 2007

    Novembro 2007

    Outubro 2007

    Setembro 2007

    Julho 2007

    Junho 2007

    Maio 2007

    Abril 2007

    Março 2007

    Fevereiro 2007

    Janeiro 2007

    Dezembro 2006

    Novembro 2006

    Outubro 2006

    Setembro 2006

    Agosto 2006

    Julho 2006

    Junho 2006

    Maio 2006

    Abril 2006

    Março 2006

    Janeiro 2006

    Dezembro 2005

    Novembro 2005

    Outubro 2005

    Setembro 2005

    Agosto 2005

    lataria e afins

    momento... único!

    o meu voto vai para...

    as verdades de medina car...

    estamos a passar uma cris...

    o mágico

    viu por aí?...

    uma mentira conveniente

    um farol às escuras II

    communiqué - um farol às ...

    todos ao molhe e fé em de...

    tags

    local(89)

    concertos(32)

    poem(28)

    diários QD(26)

    momentos vc(24)

    diários qd(23)

    politica nac(23)

    capas de susto(21)

    ?(18)

    rom(15)

    memoriasvc(9)

    calixto(8)

    blogs(7)

    correio dos leitores(7)

    mundial futebol(7)

    natal(6)

    todos os santos(6)

    divag(4)

    fcp(4)

    aborto(3)

    todas as tags

    subscrever feeds

    vileiros no limbo