Segunda-feira, 5 de Fevereiro de 2007

diário QD

 

 

Fotog. by Rep Xis

 

Existem no país uma série de organizações chave que são fundamentais para criar um ponto de equilíbrio entre aquilo que o Estado entende ser de orientar, analisar e preservar assim como para travar os avanços anárquicos de outras organizações particulares. Uma delas, quanto a mim das mais importantes, é a CCDR-N (a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte é uma instituição pública que tem por missão promover as condições para o desenvolvimento integrado e sustentável do Norte de Portugal, contribuindo para a coesão do território nacional), que se esforçou por criar zonas protegidas do avanço infatigável de alguns municípios que teimam em ver nos espaços verdes zonas de concreto, e colocar um travão no crescimento desordenado na orla costeira que tem sido alvo das maiores atrocidades desde os anos 70 a esta parte.

 

Voltando aos casos dos empreendimentos Optimist e Vista Atlântica, o primeiro construído na zona dunar das praias de Azurara e considerada zona ecológica protegida, e o segundo edificado sobre a ROM - Reserva Ornitológica de Mindelo, é de difícil compreensão que esta organização encolhesse os ombros como se de uma inevitabilidade se tratasse e contrariasse esses mesmos princípios por que se diz pautar num piscar de olhos. Ninguém compreende, e é de todo irritante ler num jornal nacional as explicações monocórdicas do nosso autarca perante a situação. Da sua boca não sai nenhuma opinião, remetendo para o legalmente correcto toda e qualquer responsabilidade e lavando daí, como Pilatos, as suas mãos.

 

 

Um outro aspecto me chamou a atenção. Ao ler o periódico Jornal Vilacondense, deparo com um anúncio de venda de apartamentos do mesmo empreendimento optimist. Saltava à vista, em letras garrafais, os seguintes dizeres apelativos:

 

“ CONDOMÍNIO FECHADO”

 

Fiquei a pensar qual a extensão de terreno desse condomínio fechado e a que se deverá tal benesse! Veio-me então à memória a teima da autarquia em querer deitar abaixo a velha ponte que permite o acesso dos Azurarenses à praia que tem o mesmo nome da freguesia, mas que teimam chamá-la de Árvore. Olhando para a extensão de terreno que vai até à ponte, é de pensar que caso fosse avante tal iniciativa megalómana, mais valia o Pedro Brás Marques, o Alexandre Herculano e até o Pedro Macedo arrumarem as botas, porque, afinal, é como disse Mário de Almeida sobre a oposição no programa Canal Porto: sem poder algum, não têm sequer relevância mesmo que se unam.

 

Eu estou a falar da entrevista na passada sexta-feira, mas não a vi. Não tinha conhecimento de tal momento, porque momentos assim são históricos. Mas julgo até que não fui o único, excepção feita aos que são próximos do presidente. O meu conhecimento adveio de uma chamada de um amigo bracarense, que me diz:

 

- Estás a ver a entrevista ao teu presidente?

- Quem? – respondi. – Ao Pinto da Costa? Que fez ele, agora?!

- Não! O Mário de Almeida! Está a ser entrevistado no Canal Porto.

 

Liguei, e lá estava o Tio, rígido e com todas as cores. Mas a entrevista estava já no fim. Que chatice…

 

- E que disse ele?

- Do pouco que vi, disse cobras e lagartos da oposição. Falou das praias e da excelente qualidade da água, à excepção da de Árvore (lá voltamos ao mesmo) devido a influência directa do rio, mas que mesmo essa por vezes apresentava “boas análises”, e também falou dos empreendimentos Nassica e Fábrica de Mindelo, que vão ser geradores de 5.000 postos de trabalho…

 

Desligamos e pensei nas letras garrafais da primeira página do pechisbeque vileiro, com uma foto do Tio de perfil e os seguintes dizeres:

 

“A convicção de que as pessoas estão sempre primeiro vai levar o Eng.º Mário Almeida a privilegiar intervenções futuras nas áreas de acção social, educação e cultura, bem como no ambiente e saneamento básico.”

 

Belo! Quem deve estar contente é o tal de vilacondense anónimo, porque esta é que é a realidade vilacondense, o espelho da realidade portuguesa! E fiquei a pensar numa outra realidade, com que nas minhas viagens pelo interior costumo deparar. Como a do lavrador reformado, de tez dura e olhos cinzentos, que me abordou em Canidelo enquanto esperava que o responsável pela Capela de São Brás abrisse a porta. No seu discorrer, abordou a questão dos filhos e da sua ingratidão ao apoderarem-se do fruto do seu trabalho. Depois de ter divido os seus bens pelos filhos, estes desprezaram-no, correram com ele da casa que era sua, bateram-lhe. À mãe, nem uma visita fizeram quando, por motivo de doença, lhe cortaram as pernas e viria depois a falecer no hospital.

 

Tudo isto foi-me contado com lágrimas de dor e incompreensão nos olhos, a mim, que era um estranho. A tal realidade portuguesa, que é bem presente em Vila do Conde e à qual gostaria também de ser alheio e assobiar para o lado para que não me incomodasse, mas não consigo. Quando me despedi, uma frase por ele repetida várias vezes, martelava-me no cérebro:

 

“Antes que morra, guarde uma cachaporra!”

 

 

 


publicado por siX às 22:41
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De daniela_saldanhavdc@hotmail.com a 6 de Fevereiro de 2007 às 09:24
bom dia...

Sou d azurara e acho horrivel o k estao a fazr a praia...prk a praia em azurara,e para mim nao é so até as dunas...passa as dunas e vai até á ponte a k s refere.
O k mais é priocupante é a encapacidade d poder fazr seja o k for...e reparar k kem podia fazer alguma coisa,nao o faz prk d alguma forma vai beneficiar com todo isso...nao s importando com os outros.
Kando o mais importante seria tratar o rio...eles priocupam-s com fazr casinhas...kando é k algum dia podem dizer k fazem o melhor pelos vilaconsenses.

parabens pelo blog...*


De vilancondense anonimo a 6 de Fevereiro de 2007 às 14:29
Como estou a ser algumas vezes exemplo nos seus artigos, vou deixar de expressar a minha opinião. Pelos vistos não é muito normal neste blog haver muita gente a contrariar a sua opinião, senão não tinha este tipo de comportamento provocatorio.
Boa Tarde


De siX a 6 de Fevereiro de 2007 às 19:16
ora, não leve tanto a peito, homem! Uma provocaçãozita, de vez em quando, não faz mal nenhum... muito pelo contrário, não é? ;-)


Comentar post

    O meu ip
    Web Hosting Directory by Blog Flux
    BloGalaxia
       

os latagões

  • s¿X
  • berlim
  • reporter xis
  • passado

    adjectivos

    vileiros

    net.vil@condense

    outras.vil@s

    vizinhos

    ambiente

    mixórdias

    Setembro 2009

    Maio 2009

    Fevereiro 2009

    Janeiro 2009

    Dezembro 2008

    Dezembro 2007

    Novembro 2007

    Outubro 2007

    Setembro 2007

    Julho 2007

    Junho 2007

    Maio 2007

    Abril 2007

    Março 2007

    Fevereiro 2007

    Janeiro 2007

    Dezembro 2006

    Novembro 2006

    Outubro 2006

    Setembro 2006

    Agosto 2006

    Julho 2006

    Junho 2006

    Maio 2006

    Abril 2006

    Março 2006

    Janeiro 2006

    Dezembro 2005

    Novembro 2005

    Outubro 2005

    Setembro 2005

    Agosto 2005

    lataria e afins

    momento... único!

    o meu voto vai para...

    as verdades de medina car...

    estamos a passar uma cris...

    o mágico

    viu por aí?...

    uma mentira conveniente

    um farol às escuras II

    communiqué - um farol às ...

    todos ao molhe e fé em de...

    tags

    local(89)

    concertos(32)

    poem(28)

    diários QD(26)

    momentos vc(24)

    diários qd(23)

    politica nac(23)

    capas de susto(21)

    ?(18)

    rom(15)

    memoriasvc(9)

    calixto(8)

    blogs(7)

    correio dos leitores(7)

    mundial futebol(7)

    natal(6)

    todos os santos(6)

    divag(4)

    fcp(4)

    aborto(3)

    todas as tags

    subscrever feeds

    vileiros no limbo